Vila de Soajo, uma terra com uma longa história

No seguimento dos artigos sobre as maravilhas de Arcos de Valdevez, hoje vou escrever sobre a Vila de Soajo. Esta belíssima terra está integrada no concelho de Arcos de Valdevez, outrora também concelho, viu o seu estatuto de vila e sede de concelho a sofrer alterações ao longo da sua história para finalmente se re-estabelecer e ser devidamente reconhecida em 2009 como mais uma vila portuguesa.

Paisagem da Vila de Soajo

Historicamente o foral manuelino de Soajo tem data de 7 de Outubro de 1514 precedendo assim o de Arcos de Valdevez com data de 2 de junho de 1515. Importa destacar que a primeira menção ao Soajo que se conservou nos arquivos portugueses data do ano de 950 e está relacionada com as partilhas de bens feitas entre a condessa Mumadona Dias e os seus filhos onde se incluíam umas propriedades no Soajo. Mas a importância régia de Soajo e das suas gentes reside na sua localização em plena Serra da Peneda/Soajo, no limite de fronteira e dos seus recursos naturais para coroa portuguesa. As suas reservas de caça destacaram a posição dos seus monteiros (caçadores de monte) face aos próprios monarcas.

Serra de Soajo

Aqui encontramos o elo com o Sabujo de Soajo, o cão de caça da Serra de Soajo, que apesar de ainda não ter alcançado a famosa notoriedade e estatuto de raça que atingiu o cão de Castro Laboreiro ( há quem afirme ser a matriz deste), foi fundamental para a isenção de impostos e para a atribuição de privilégios vários em tempos régios.

Cão Sabujo da Serra do Soajo

Mas falar de Soajo e não mencionar a eira comunitária com os seus 24 imponentes espigueiros em granito, seria como ir a Roma e não ver o Papa. Testemunhos vivos de uma tradição comunitária que servia (e ainda hoje serve) de armazenagem do milho e prováveis descendentes dos canastros (originalmente construídos em verga) são o cartão de visita de uma vila que teima em manter as tradições vivas e que tanto fascinam e apaixonam visitantes nacionais e internacionais.

Espigueiros de Soajo em granito

Muito haveria ainda que escrever sobre Soajo, sobre a sua história, sobre as suas gentes ou até sobre as suas lendas mas apesar de tudo não podia terminar sem referenciar o Pelourinho de Soajo situado no Largo do Eiró.

O Pelourinho foi declarado Monumento Nacional em 1910, sendo descrito de traçado peculiar, foi interpretado simbolicamente de várias formas sem nenhuma garantia efectiva do seu significado original. Atualmente está associado à representação de um rodo: um instrumento agrícola que se utilizava para nivelar o milho novo nas eiras. O rodo tem numa das suas extremidades uma parte triangular em madeira e o simbolismo do nivelamento seria a nivelação da justiça com sendo igual para todos.

Pelourinho de Soajo

Aqui fica uma pequena parte do meu espólio fotográfico sobre Soajo e a satisfação privilegiada de ser um fotógrafo profissional em Arcos de Valdevez.

Pin It on Pinterest